Respeito KD?

As vezes fico completamente desnorteada com clientes sem noção. Aqueles que não dão o mínimo valor pro meu trabalho; que ignoram completamente a existência de uma pessoa por trás da foto que receberam.

Os casos mais absurdos acontecem. Gente que pega a foto aonde eu pus minha criatividade, esforço e suor, e passa um photoshop nela pra tirar as gordurinhas, joga um airbrush, bota um filtro coloridinho pra usar de avatar do twitter, recorta a foto à reveria da minha escolha de enquadramento, e o pior dos casos – o que me motivou esse post revoltado que escrevo: corta, joga no paint, faz umas bordas pinceladas e escreve o próprio nome em comic sans por cima.

É de dar vontade de pular da ponte mais próxima. Pra quê mesmo estou me matando por essa carreira, hein? E se vou lá reclamar com a pessoa por ela ter deliberadamente alterado meu trabalho, sou a chata, a nazi-fotógrafa, e tenho que ouvir nego discorrer sobre como ‘não se controla direitos autorais na era digital’. Ao que eu saiba, a lei de direitos autorais liga a foto ao autor e protege a obra a partir do momento em que ela foi feita.

Nem sempre tenho o tempo e a energia emocional para sair notificando as pessoas que elas estão desrespeitando meu trabalho. É desgastante. Quando o faço, sou boazinha o suficiente pra oferecer a pessoa que eu faça a alteração que ela precisa, já que ela não ficou satisfeita com meu trabalho. Recebo respostas indignadas e vejo as pessoas retirarem a(s) foto(s) por completo de seus álbuns, desaforadas. Será que antes de acharem que sou ‘mala’ param pra pensar que, ao invés de educadamente pedir, eu poderia processar?

Por quê devo me desculpar por tentar proteger minha obra pra posteridade? Por quê devo pisar em ovos ao dizer à pessoa que a fotografia que fiz passou pelo meu cérebro, minha emoção e minha decisão consciente quanto à luz, exposicão, velocidade, enquadrameto, ângulo, composicão, e portanto me pertence, mesmo quando fui paga para fazê-la?

Esse é um apelo para todos que contratam fotógrafos (não estou falando de quem ‘tem uma câmera e clica’ ok?): nossas fotos são nosso legado e carregam um pedacinho de nós. Para um fotógrafo de verdade, ver sua criação adulterada é como assistir a um filho ser mutilado. O mundo está abarrotado de gente que trabalha como fotógrafo mas não é nada além de impostor (muito fácil na era digital) e tais pessoas não ligam, realmente; não sentem; PORÉM ainda existem clicadores por aí com sensibilidade artística, que poe a alma na ponta do dedo na hora de disparar o obturador. E estes merecem respeito. Tenham noção, por favor.